quarta-feira, 27 de julho de 2016

ANEDÓTICA


Complexo demais...
Só eu posso ser eu!

Nenhum remendo
Mal remendado,
Nenhum reboco
Mal rebocado.

Nenhuma palavra
Mal arranjada,
Nenhuma poesia
Mal versejada.

Nenhuma alegria
Desenxabida,
Nem a simpatia
Esbaforida.

O arremedo é só anedota.
Não cabe na forma, não passa na porta!

Fabiana Gusmão, 27 de julho de 2016.


terça-feira, 26 de julho de 2016

Oratio sustenida


-  Criador das coisas belas
(e dos homens vis)! -

Livrai-me das almas insossas
Da incoerência,
Das insipiências,
E da sensatez.

Livrai-me da neutralidade,
Das dúbias verdades,
Da hedionda tragédia
Da desfaçatez.

Livrai-me, por piedade,
Do sorriso sem alma,
Da palavra oca,
Dessa lucidez.

E, se não for mal rogado,
O pedido infame
Da má criação:
Fazei-me escorrer entre as letras,
Vestir poesia,
Eterna nudez!

Fabiana Gusmão, 26 de julho de 2016




segunda-feira, 25 de julho de 2016

ESSE LAÇO













Esse laço de agora,
Refeito e afeito,
Que aqui se demora,
Arremata-me o peito.

Ata-me os sonhos
Nas noites felizes.
Rostinhos risonhos,
Rosadas matizes.

E esse laço de afeto,
Suave e sereno,
É o meu mais secreto
E doce veneno.

Detém-me amorosa
Em dias de paz
Harmonia precisa
N’onde a vida se faz!


Fabiana Gusmão, 25 de julho de 2016.