terça-feira, 18 de dezembro de 2012

A UM MENINO















Não cabe no algoz sentimento.
Na exatidão, não cabe o delito.
Não cabe consolo no pranto
da mãe que perdeu seu rebento.

Não cabe sonhar o futuro.
Na memória, não cabe a imagem.
Não cabe, meu Deus, tanta dor...
Derrama seu pranto no escuro

Não cabem palavras vazias.
Ao fato, não cabe o sentido.
Não cabe tanta indiferença,
onde falta hombridade, sobra o horror

Não cabe defunto sem choro.
Na cova, não cabe o papel.
Não cabe nenhuma desculpa,
os anjos merecem o céu.

Não cabe na língua o discurso.
Na vida, não cabe ser gente.
Não cabe ser preto, ser pobre,
na Vila que agora é mais triste

Não cabem desaparecidos.
Ao corpo, não cabe exalar.
Não cabe a inocência sumida.
Pés descalços por todo lugar.
..................................................................

Não cabe nada!
Não cabe ser racional!
Animalizemos os atos, sejamos sensatos!
Roubemos o terço!
Rezemos a missa de corpo passado...
Presente?
Ausente...
Futuro já não caberá!

Fabiana Gusmão

6 comentários:

  1. Não cabe em meu peito o sentimento de gratidão por ter lido e sentido essa poesia. Obrigado por você ser você, minha poetinha linda!

    ResponderExcluir
  2. Perfeito, Faby!
    Não cabe humildade em palavras tão belamente esculpidas.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Que poesia tocante! Você escreve muito bem!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Muito emocionante esse poema!Devido ao acontecido...o sentimento creio que seja realmente o que o poema narra.

    ResponderExcluir
  5. Esse poema é um grito, um alerta. Parabéns!
    Em tempos em que se tenta aprovar a redução da maioridade penal. Restam as poetisas como tu a nos orientar...lindo e forte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é dedicado a um menino de 9 anos de idade, desaparecido em dezembro de 2012, possivelmente assassinado por policiais... A mãe até hoje espera por uma notícia, ou quem sabe um corpo...

      Excluir